sábado, 25 de maio de 2024

Tratado de Versificação - parceria de Glauco Mattoso e ABRASSO

 

A Academia Brasileira de Sonetistas - ABRASSO expressa sua mais profunda gratidão ao poeta Glauco Mattoso por reconhecer e valorizar o trabalho desta instituição pelo culto ao soneto e pela preservação dessa composição clássica. Seu reconhecimento enaltece o esforço coletivo da academia em fomentar e apoiar a publicação de obras de grande relevância para a literatura brasileira, como o “Tractado de Versificação”, do autor. A sua generosidade e apreço não só engrandecem nosso trabalho, mas também inspiram a todos os membros da ABRASSO a continuar promovendo a arte do soneto com dedicação e paixão. Muito obrigado por sua inestimável contribuição ao mundo das letras.



Academia Brasileira de Sonetistas ABRASSO






****

****

****

quarta-feira, 15 de novembro de 2023

quinta-feira, 31 de agosto de 2023

GLAUCO MATTOSO

Cadeira n° 35 - Glauco Mattoso
Patrono - António Lobo de Carvalho

  ***

Glauco Mattoso é paulistano de 1951. Nos anos 1970 editou o poezine JORNAL DOBRABIL e destacou-se entre os poetas "marginais". Compôs mais de dez mil poemas ou de sete mil sonetos e assinou mais de cem livros de poesia, três romances (um deles em verso), três volumes de
contos, além de crônicas, ensaios, um tratado de versificação e um dicionário ortográfico, este sistematizando sua reação estética às
reformas cacofonéticas sofridas pelo português escrito. Mattoso perdeu a visão nos anos 1990 devido a um glaucoma congênito que lhe
ensejou o pseudônimo literário. Sua produção mais volumosa ocorre após a cegueira, graças a um computador falante.


Nota (Janete Sales): a palavra "poezine" é um neologismo que funde "poesia + fanzine". Fanzine é um tipo de publicação amadora e artesanal muito utilizada no fim dos anos 1970 e nos anos 1980 por artistas (quadrinistas, poetas, músicos etc) para divulgar suas produções. Essas publicações, editadas com cola, papel e tesoura e, depois de prontas, geralmente xerocadas, eram enviadas pelo correio. Não havia uma rede de distribuição estruturada com pontos de venda. A pessoa editava seu fanzine, botava dentro do envelope e remetia para alguém que ele possuía do endereço de correspondência. Foi com uma dessas cartas contendo o "poezine" JORNAL DOBRABIL que, entre outros, Caetano Veloso ficou conhecendo o trabalho de Glauco Mattoso e, anos depois, resolveu homenageá-lo na canção Língua, que foi incluída no LP Velô, lançado em 1984.